segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Capítulo 01: Brownie de chocolate amargo com sal




"Rituais religiosos tinham lugar em diferentes estágios do cultivo [do cacau]. Os Maias sempre tinham uma festa do plantio em honra aos deuses, durante a qual sacrificavam um cachorro com partes de seu pelo tingidas com cacau. Outra prática, que requeria um certo grau de comprometimento, exigia que os cultivadores permanecessem celibatários por treze noites. Era-lhes permitido voltar às suas esposas na décima quarta noite, e, então, as sementes eram semeadas".
Catherine Atkinson, The Chocolate ans Coffee Bible

BROWNIE DE CHOCOLATE AMARGO E NOZES COM SAL


150g de manteiga
200g de chocolate amargo em barra de boa qualidade  (a qualidade do chocolate muda completamente o sabor da receita)
1 xícara e meia de açúcar
4 ovos
1 colher de extrato de baunilha
1 1/2 xícara de farinha de trigo
1/2 colher de chá de sal grosso moído (apenas o suficiente para deixar pequenos cristais, sem pulverizá-lo)
1/2 xícara de nozes picadas


Pré-aquecer o forno e untar uma forma quadrada de 20 x 20 cm com manteiga. Não é necessário enfarinhar, mas, no caso de formas de alumínio, é recomendável espalhar um pouco de cacau em pó sobre a superfície untada, apenas para garantir que a massa não grude.
Derreter a manteiga e o chocolate em banho-maria até que estejam completamente incorporados. Adicionar, em seguida, os outros ingredientes, sempre misturando muito bem com a espátula após cada um deles : açúcar, ovos, baunilha, farinha de trigo e, por último, as nozes. Espalhar a massa sobre a forma e nivelá-la.  Espalhar o sal moído sobre a massa e misturar um pouco com um grafo, deixando alguns cristais na superfície. Diminuir o forno para 180 graus e assar na prateleira mais distante do fogo por uns dez ou quinze minutos. Isso depende do forno, aqui em casa assou em 8 minutos.
O brownie estará pronto quando os cantos estiverem firmes e o centro estiver ainda um pouco mole sob a superfície. Retirar do forno, esperar esfriar.



Belle Époque
Miss Broadway (1997)


Um comentário:

Dividir o pão: